• Prev
Três Rios/RJ - A Igreja Assembleia de Deus Lírio dos Vales ...
Vassouras/RJ - A Igreja Evangélica Shekinah, comemorou, nos dias 7 à 9 ...
Três Rios/RJ - A Igreja Assembleia de Deus Plenitude, realizou no dia 30 de Junho de 2018, o ...
Três Rios/RJ - A Igreja Missão Nova Vida, realizou no dia 23 de Junho ...
Rede Vipgospel - todas logos

A festa de natal é uma das mais belas festas culturais do ocidente, repleta de fantasias, luzes, enfeites dos mais belos, cardápios dos mais variados e muitos presentes. Mas será que comemoramos, em nossas festas, o verdadeiro sentido do natal?

A palavra natal do português vem de uma variante de palavras e idiomas; já foi nātālis no latim, derivada do verbo nāscor (nāsceris, nāscī, nātus sum) que traz um sentido de nascimento. Também evoluiu de nātālis do latim para natale do italiano; depois noël do francês; nadal do catalão, até natal do castelhano, palavra que se repete no português. Todas com o mesmo sentido de “nascer”, o qual se comemora o nascimento de Jesus.

Biblicamente não podemos afirmar uma data exata do nascimento do Senhor, mas com uma rápida análise percebemos, no texto de Lucas 2.8, que o dia 25 de dezembro é uma data pouco provável, visto que na noite do nascimento do menino os pastores estavam no campo, em vigília, guardando o rebanho. Isso deixa claro que não era o período de inverno, ao contrário do mês de dezembro naquela região o qual o inverno era rigoroso, impossibilitando de pessoas permanecerem em vigília nos campos.

De onde surge, então, a data que comemoramos atualmente? Muitos crêem que a data de 25 de dezembro foi retirada de uma comemoração pagã relacionada com o Solstício de inverno (Época em que o Sol, tendo-se afastado o mais possível do equador, parece deter-se e estacionar durante alguns dias, antes de voltar a aproximar-se de novo do equador), entre 17 e 21 de dezembro. Baseado nesse solstício, toda civilização que estudavam os astros adotaram a adoração ao sol ou ao seu “deus” mais ilustre nesta data. Notadamente em Roma, celebrava-se este “Nascimento do Sol Invicto”. Com a suposta conversão do imperador Constantino ao cristianismo tais festividades pagãs foram sincretizadas para a nova religião do império (cristianismo), em uma jogada política de fazer com que a população, que não queria abandonar as festas, continuasse com seu costume, porém, com uma nova roupagem cristã. Assim eles relacionaram Cristo com o “deus-sol”.

Com o passar do tempo foram se agregando vários símbolos a esta festividade, como luzes, árvore, velas, dentre outros. O mais significativo é o “Papai Noel”, o bom velhinho que distribui presentes nas madrugadas, uma figura com as qualidades de um conhecido bispo romano, do século V,

nominado de “São Nicolau” que fazia tais distribuições de dádivas às escondidas; além de Saint Klaus, que tinha esta prática no natal. O “Papai Noel” se tornou cultural em vários países, com sua roupa vermelha, barba branca, saco de presente e suas renas, uma aparência desenhada pela empresa Coca-Cola em uma de suas propagandas e que faz sucesso há aproximadamente 150 anos.

Toda essa roupagem e símbolos atuais têm imensurável valor comercial, o natal é uma das mais rentáveis datas comemorativas. Nossos filhos são criados pensando no natal como uma grande oportunidade de ganhar presentes; comerciantes o vêem como um bom momento para aumentar a renda do seu negócio; outros o esperam para comer o tão esperado banquete; e muitas outras visões natalinas existem com objetivos comerciais.

É lícito, frente a toda essa distorção do conceito natalino, nós como crentes, comemorarmos o natal, nos moldes de hoje? Não existem grandes problemas quanto a se comemorar o natal com seus símbolos, dar os presentes e fazer a ceia em família, porém, nós como verdadeiros cristãos não devemos desviar o nosso foco do objetivo da simbólica data. Por não se ter uma data real do nascimento de Jesus, fixar-se o dia festivo de 25 de dezembro para a sua comemoração não seria um erro, porém, a comemoração que deve existir em nosso coração, mesmo em meio aos símbolos e presentes, deve ser sempre o nascimento do nosso salvador, fato anunciado pelos profetas (Is 9.6) e cumprido, conforme escreveu o apóstolo João: “o verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1.14). É isto que comemoramos; este é o significado do Natal! Essa festa aponta para a necessidade de Cristo nascer em cada coração, trazendo vida, cura, libertação, comunhão com o Pai!

Portanto, celebremos o natal, como o maravilhoso presente de Deus a uma humanidade perdida e condenada pelo pecado. Comemore o dia que junto com o menino Jesus nasceu uma nova chance de sermos reconciliados com Deus, através de sua vida, morte e ressurreição. Que o natal genuinamente cristão ocupe todo o lugar do seu coração e do seu lar, deixando em segundo plano os benefícios superficiais e terrenos do “natal comercial”.

Visitas no Site

0011720955
HojeHoje171
OntemOntem147
Esta SemanaEsta Semana318
Este MêsEste Mês8259
Todos os diasTodos os dias11720955

Siga-nos no Facebook

Usuários Online

Temos 64 visitantes e Nenhum membro online