• Prev
Paraíba do Sul/RJ - O Conselho de Ministros Evangélicos da cidade ...
Levy Gasparian/RJ - A Igreja Assembleia de Deus Ministério Levy Gasparian, ...
Paraíba do Sul/RJ - Nos dias 29 e 30 de março de 2019, foi realizado ...
Paraíba do Sul/RJ - No dia 30 de março de 2019, a União ...
Rede Vipgospel - todas logos

A revista Veja adiantou neste domingo (18) que o futuro ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro, deseja nomear Deltan Dallagnol como titular da Procuradoria Geral da República (PGR) no lugar de Raquel Dodge.

Famoso por ter liderado a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Dallagnol junto com sua equipe acusaram e tornaram réus por corrupção 347 pessoas. Das 87 condenadas à prisão está o ex-presidente Lula. A afinidade de Moro com o procurador paranaense é conhecida e sua indicação parece natural.

Dodge tem mandato de dois anos, terminando em setembro próximo do ano que vem. A possibilidade de ela ser reconduzida é mínima. Embora seja hábito a escolha do novo procurador-geral por meio da lista tríplice definida por eleição da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), não é um preceito constitucional.

A lei em vigor no país estabelece que o candidato tenha mais de 35 anos e faça parte da carreira de procuradores. Dallagnol preenche os dois requisitos.

Seguidor de Jesus
Deltan Dallagnol é membro da Igreja batista do Bacacheri, em Curitiba, desde a infância. A biografia de seu perfil nas redes sociais deixa claro quais são as suas prioridades na vida: “Seguidor de Jesus, Marido e Pai Apaixonado, Procurador da República por Vocação e Mestre em Direito por Harvard”.

Em 2016, perguntado sobre o que planeja no futuro, não confirma que deseja uma carreira política, seu plano parece ser outro. “Eu descartaria poucas coisas em relação a meu futuro, cogito talvez até virar pastor. Mas nós focamos no presente”, assegurou.

No início deste ano foi massacrado pelo PT e por parte da mídia após divulgar em suas redes sociais que participava de uma campanha de jejum e oração pelo país.

Em entrevista à Jovem Pan disse que sua postura não viola o conceito de Estado laico. “Eu sou cristão, como todos sabem, isso faz parte da minha identidade. Eu oro pelo meu país. A minha oração e jejum são pela causa anticorrupção e contra a impunidade, não em relação a uma ou outra pessoa específica”.

Fonte: Gospel Prime

Visitas no Site

0011908601
HojeHoje1588
OntemOntem1438
Esta SemanaEsta Semana2954
Este MêsEste Mês33328
Todos os diasTodos os dias11908601

Siga-nos no Facebook

Usuários Online

Temos 266 visitantes e Nenhum membro online