General Mourão 8 844 kQwF ID000002 1024x683GP Web

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou, nesta quinta-feira (31), que o Brasil não irá intervir na questão interna da Venezuela, mas que pode adotar “pequenas sanções” contra o governo de Nicolás Maduro. A declaração foi dada ao deixar o gabinete da Vice-Presidência, no Palácio do Planalto.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, assumiu seu segundo mandato no dia 10 após uma eleição contestada em maio do ano passado. A oposição decidiu não participar e acusou o pleito de ser fraudado. Pouco depois da posse, o presidente da Assembleia venezuelana, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país. Ele foi reconhecido como líder da Venezuela por diversos governos, inclusive o Brasil.

Ao ser questionado sobre qual seria a atuação do país na situação venezuelana, Mourão disse que o Brasil tem a “visão” de não interferir.

– O Brasil é aquela história: nós temos a nossa visão que a gente não intervém nas questões internas de outros países. Nós podemos adotar essas pequenas sanções, mas nós não vamos cruzar uma linha que, aliás, a gente sabe como é que começa, mas não sabe como é que termina – explicou.

Para o vice-presidente, a questão no país vizinho será resolvida quando as Forças Armadas “se derem conta de que não dá para continuar da forma como está”.

– Eu acho que está chegando, porque as pressões são cada vez maiores, o país está fechado em si mesmo. Nós militares, em todos os lugares do mundo, a gente entende que tem um limite até aonde a gente pode ir. Eu acho que eles estão entendendo que chegaram nesse limite – apontou.

Com informações de Pleno News