• Prev
Três Rios/RJ - A Igreja Assembleia de Deus - Ministério Resgatar, realizou, ...
Três Rios/RJ - A Igreja Assembleia de Deus Central - Ministério de ...
Vassouras/RJ - A Igreja Metodista em Andrade Costa, realizou, no dia 10 de Novembro ...
Paraíba do Sul/RJ - No dia 27 de Outubro de 2018, o Projeto Café ...
Rede Vipgospel - todas logos

A minha vida passou a ser apenas para comprar e consumir crack. Eu não tinha noção do tempo, não trabalhava, não estudava e me isolei dos meus familiares". O relato é do pastor Júlio César Ferreira dos Santos, de 42 anos, que foi usuário de crack, cocaína e maconha por 23 anos.

Recuperado, ele afirma que conseguiu sair do mundo das drogas após conhecer uma igreja em Praia Grande (SP) e receber apoio dos membros. Hoje, é líder da igreja evangélica Bola de Neve, em Itapetininga (SP), e ajuda usuários de drogas a se recuperarem.

"Todo dinheiro que recebia fazia a conta de quantas pedras de crack e outra droga dava para comprar. Para mim, o dinheiro era apenas para isso. Era como um ‘zumbi’ e perambulava pelas ruas sem rumo atrás de droga. Passei a assaltar e furtar para comprar droga.”

Em entrevista ao G1, Júlio afirma que o primeiro contato com a droga foi aos 14 anos quando morava em São Paulo. De família de classe média, ele conta que as drogas surgiram através das amizades.

“Nasci em São Paulo e morava com minha família no Brooklin. Nunca tive problema familiar. Foi que, aos 14 anos, passei a andar com uns primos e uma galera que morava no Jardim São Luiz e Capão Redondo. Foi onde comecei a usar maconha”, conta.

Após a maconha na adolescência, Júlio relata que passou a usar cocaína. “Meu círculo de amizade era só com viciados. Isso se intensificou aos 18 anos, na minha juventude. Cheguei a entrar em três faculdades, mas não conseguia finalizar os cursos por conta das drogas. Cheguei a cursar administração, análise de sistemas e marketing. Nenhuma acabei. Não trabalhava também. Meus pais quiseram me internar, mas eu não aceitava. Eles tentaram de tudo, mas nada dava certo. Eu queria continuar naquela vida”, diz.

Aos 25 anos, Júlio conta que se mudou para Praia Grande, no litoral paulista, onde passou a ter contato com o crack. “Comecei a usar o chamado ‘mesclado’, que muitos usam. É a maconha junto com o crack. Falam que não vicia e o usuário tem a sensação de que não está usando crack. Mas vicia sim. De repente me vi viciado em crack e o mundo então ficou só nele. Foram mais de cinco anos só usando crack”, afirma Júlio.

Para comprar e consumir as drogas, o pastor afirma que começou a traficar para comprar crack. Mas não parou por aí. Viciado, ele revela que cometou outros delitos. "Depois, assaltava comércios e também furtava veículos, pois é mais rápido para vender e pegar o dinheiro.

O pastor conta que, algumas vezes, ficava quatro dias sem voltar para casa. "Meus pais sofreram muito, pois me afastei deles. Basicamente em todos esses crimes cometidos as drogas estão por trás."

Segundo Júlio, um amigo, também usuário de droga, o convidou para ir a um culto em uma igreja evangélica. Após esse dia, ele afirma que não usou mais drogas.

“O usuário percebe que está mal. Eu já estava em depressão, sem rumo. Foi então que ele me chamou para ir e fui. Quando entrei estava tocando um louvor e isso me tocou. Depois teve a pregação e eu chorei muito. Foi quando eu orei pedindo para que Deus me tirasse a vontade de usar droga. E, o que é impossível para muitos, ainda mais para uma pessoa como eu que usava drogas há mais de 20 anos, aconteceu. Eu sai da igreja e consegui dizer não ao crack e à cocaína”, afirma.

O pastor ressalta que sentiu vontade nos primeiro dias, mas que conseguiu evitar os convites. “As primeiras semanas a vontade veio, mas não tive recaída e não fumei mais crack e cocaína. A maconha eu consegui largar depois de 40 dias indo à igreja. Não tive recaídas e isso para mim foi um milagre. Falei para o grupo que andava que não queria mais aquela vida. Eu acredito que Deus fez um milagre na minha vida, porque estava realmente perdido”, ressalta.

Júlio conta que os primeiros meses recebeu apoio dos membros da igreja, o que foi importante para sua recuperação.

"Eles me ajudavam para que eu não tivesse recaída. Isso foi muito importante. Minha família ficou muito feliz quando soube. Minha vida teve outro rumo. De repente, passei a ter objetivos de vida. Passei a trabalhar como consultor comercial. Anos mais tarde casei e hoje tenho um filho de quatro anos. Só Deus mesmo”, diz.

Há dois anos Júlio é líder da igreja “Bola de Neve” em Itapetininga. Segundo ele, seu testemunho já ajudou a recuperar outros usuários de drogas.

“Eu conto que é possível sim se recuperar e se livrar do mundo das drogas. Claro que entra meu lado da fé de acreditar que Deus ajuda sim a pessoa ser liberta. Você precisa pedir e ter fé. Eu mesmo, olhando racionalmente, não seria possível não ter recaída. Viciado há mais de 20 anos. Hoje sou um milagre.”

Júlio é pastor da igreja Bola de Neve, em Itapetininga.

Fonte: g1.globo.com

Visitas no Site

0011773116
HojeHoje287
OntemOntem860
Esta SemanaEsta Semana2651
Este MêsEste Mês9389
Todos os diasTodos os dias11773116

Siga-nos no Facebook

Usuários Online

Temos 162 visitantes e Nenhum membro online