Resultado de imagem para sombra pessoa1 ano e 4 meses longe das drogas

"Na época, morava com meu pai e meu irmão. Comecei fumando maconha e com o tempo usei todas as substâncias possíveis. Me identifiquei no crack e foi quando minha vida começou a se destruir, perdi tudo. Meu pai não tinha mais controle sobre mim, que ainda era menor de idade. Meu pai ficou doente, teve câncer e, após um mês, ele faleceu.

Me senti destruído, perdi o rumo e passei a viver só em função da droga. Todo dia, toda noite, com chuva e com sol eu estava usando. Cada vez queria usar mais, a droga já não me satisfazia como antes. Foi quando a morte do meu pai me trouxe um despertar espiritual e decidi me internar. Nesse momento, minhas irmãs voltaram a se aproximar de mim e me internaram em uma comunidade terapêutica. Lá eu aprendi muito sobre a irmandade de Narcóticos Anônimos e, quando saí, passei a frequentar as reuniões da NA. Fui muito bem recebido e consegui me sentir importante para alguém.

Achava que ia morrer usando e hoje venho apreendendo que o NA está de porta abertas para me acolher e me ajudar. Para me manter longe da droga, ainda preciso me vigiar, saber o que vou fazer. Evito algumas pessoas e lugares. Tudo o que é ruim para mim hoje eu evito. Procuro decidir tudo da maneira mais correta, calculo e tomo a atitude certa com responsabilidade. O primeiro passo para parar de usar é ter o desejo. Tem que querer muito. É difícil, eu sei. Cada dia eu faço a decisão de não usar. Eu tenho o desejo, eu tenho a vontade de ficar limpo. Com tudo isso aprendi a preservar a minha vida. A coisa mais importante que tenho hoje é a minha vida."

Com informações de Minha Vida